ADORO TRIP: 10 ideias de destinos para viajar com responsabilidade em 2024

Slow travel, viagem consciente ou regenerativa. Esses são termos que saíram da bolha e chegaram ao mainstream nos últimos anos, à medida que turistas reflexivos – junto a agentes de viagens e operadores turísticos – começaram a considerar as consequências que causam aos lugares que visitam.

Embora a prática de greenwashing ainda seja muito comum, outras pessoas no mundo das viagens estão levando o seu impacto a sério. Recentemente, a Fodor’s lançou uma nova “lista de proibidos” para 2024, e a Organização Mundial do Turismo da ONU ainda está trabalhando em seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Neste sentido, recorri a pequenos empresários – muitas vezes, que vivem nos destinos que estão vendendo – que se preocupam tanto com princípios quanto com lucros. Veja a seguir o que eles sugerem.

Uruguai, longe dos resorts

“O Uruguai é um país singularmente estável (política, social e ambientalmente) e um destino de muito baixo risco em tempos tão conturbados”, afirma pragmaticamente Elin Granberg. Mas a designer de viagens, fundadora da Neverseen e meio uruguaia, não indicou apenas seu país de origem por sua segurança. “Tenho muito orgulho de criar jornadas personalizadas para o meu país pequeno, mas poderoso, onde práticas regenerativas têm sido um modo de vida por muitas gerações. Uma cultura enraizada em simplicidade e respeito pela natureza, o país recebe visitantes para vivenciar a conexão genuína entre a terra e a vida.”

Cabo Polonio

A Neverseen organiza estadias personalizadas em lugares como a pousada familiar Posada Ayana na vila artística de José Ignacio, onde “a culinária do campo à mesa e a produção biodinâmica de vinho são garantidas, a arquitetura verde se integra perfeitamente à paisagem e peças vintage restauradas de Montevidéu são escolhidas a dedo”. O James Turell Skyspace “se encaixa perfeitamente em uma cidade onde a natureza e o modo de vida consciente estão no centro de tudo”. Outra aventura da Neverseen inclui passeios a cavalo pelas dunas até Cabo Polonio, uma vila remota à beira-mar, alimentada por energia eólica e solar.

Amazônia Brasileira

A 187 quilômetros de Manaus, o Parque Nacional Jaú é o maior parque florestal de água doce do mundo, Patrimônio Mundial da Unesco, e ainda é relativamente inexplorado pelo turismo, diz Patty Monahan, cuja empresa, Our Whole Village, apresenta alguns desses poucos turistas à região.

 

A agência de viagens focada em famílias oferece uma expedição de cinco dias, incluindo navegação nos rios Negro, Jaú e Carabinani, na qual “você terá a oportunidade de explorar a abundante vida selvagem e a paisagem deslumbrante desta bela região, visitando comunidades ribeirinhas onde pode aprender sobre seu modo de vida e causar um impacto positivo”, diz ela. Para pais e filhos, “esta é uma oportunidade única na vida para explorar a Amazônia e fazer a diferença na comunidade local.”

Região do café na Colômbia

A paisagem cultural do café da Colômbia é um Patrimônio Mundial da Unesco e “um lugar onde você será guiado pelo caloroso abraço dos habitantes e verá paisagens que despertarão sua imaginação”, diz Angelika Koehler, gerente geral da WhereNext Travel, uma empresa colombiana dedicada ao ideal de que viajar tem o poder de transformar vidas.

Bio Habitat Hotel

As itinerários da WhereNext incluem lugares como La Carbonera, onde os hóspedes fazem passeios de jipe por vilarejos coloniais como Salento e Filandia e exploram uma floresta de palmeiras de cera que chega a alturas de cerca de 60 metros, um reino ainda em grande parte desconhecido. As opções de acomodação incluem o Bio Habitat Hotel (de arquitetura arrojada, onde as cabanas se integram perfeitamente à natureza), ou as tendas no glamping Entre Rios e El Nido del Condor.

Panamá, com foco nos pássaros

O Panamá é, pelo menos sazonalmente, lar de mais de 1.000 espécies registradas de pássaros, o que é mais do que as encontradas nos Estados Unidos e Canadá juntos, observa Renee H. Kimball, a chefe de Tranquilo Bay Eco Adventure Lodge.

Tranquilo Bay Eco Adventure Lodge

Essa pousada, juntamente com a Canopy Tower no leste do país, oferece um itinerário de observação de pássaros guiado de oito dias. Ele começa na torre, onde o deque está ao nível dos olhos com a copa da floresta tropical, com tucanos, papagaios, espécies de tanager e falcões. Em seguida, um breve voo leva os hóspedes a Bocas del Toro e Tranquilo Bay, no declive caribenho oeste do Panamá, onde serão serenados por papagaios-vermelhos, japus e íbis-verdes em voo.

Comunidades do Quênia

Os itinerários privados da Elevate Destinations no norte do Quênia concentram-se em iniciativas de conservação da comunidade local e destacam os esforços dessas reservas para proteger muitas espécies ameaçadas. “Os viajantes têm uma oportunidade privilegiada de ir nos bastidores e entender os desafios da caça furtiva, das mudanças climáticas e das pressões econômicas enfrentadas por uma reserva de primeira linha”, diz Dominique Callimanopulos, fundadora da companhia.

“Além de vivenciar paisagens deslumbrantes e uma vida selvagem extraordinária, eles terão a chance de acampar [em um acampamento móvel sob as estrelas] na fronteira norte, rastrear rinocerontes a pé, visitar as mulheres Samburu que gerenciam o Santuário de Elefantes Reteti e conversar com os guerreiros Samburu sobre os problemas que enfrentam enquanto continuam a abraçar um modo de vida pastoril”, conta Dominique.

Montanhas Atlas de Marrocos, depois do terremoto

“Lembro-me tão claramente de olhar para o vasto Vale de Ourika, absorvendo os tons terrosos e as cristas dramáticas das altas Montanhas Atlas, pensando em quão pacífico este lugar, este vale, este país me faz sentir”, recorda Daisy Cunningham, assistente de comunicações e RP na Uncharted. “Era a calma antes da tempestade… [Por volta] das 23h11, um terremoto de magnitude 6,8 atingiu a região do Atlas de Marrocos, a poucos quilômetros de onde dormíamos.”

Enquanto os viajantes se perguntavam o que fazer, uma solução – abraçada pelo povo marroquino – se apresentou em questão de dias: “Não devemos parar de viajar para o país, a indústria de viagens impulsiona a economia” A Uncharted já era líder em viagens para o Marrocos, com fortes relações com a comunidade, e agora sugere um novo itinerário de “amor e esperança” que inclui Fez, Essaouira, Marrakech, acampamentos de luxo remotos no Saara e, especialmente, o Kasbah Bab Ourika nas Montanhas Atlas.

Mergulho profundo nas tradições tanzanianas

Os lodges e acampamentos íntimos da Entara são construídos nas maravilhas naturais de várias regiões da Tanzânia. Um destaque é o Kisima Ngeda Camp, que está no meio de uma floresta com tendas de palha, e oferece uma aventura ainda mais remota por meio de seu voo privativo durante a noite na costa leste do Lago Eyasi.

Kisima Ngeda Camp

Ambos estão próximos às terras ocupadas pelo povo Hadza, cujo estilo de vida tradicional de caça e coleta sobreviveu contra todas as probabilidades até a era moderna. Passeios guiados adentram as profundezas do país Hadza para um entendimento mais profundo de sua cultura, e algumas das expedições são acompanhadas por locais – que também os apresentam aos seus vizinhos, o povo Datoga, pastores tradicionais que percorrem a região com rebanhos de gado.

Zimbábue, para além das Cataratas Vitória

“Enquanto a maioria das pessoas experimenta o Zimbábue com uma única parada nas Cataratas Vitória, esta vasta área, rica em biodiversidade, é conhecida por sua coexistência entre a vida selvagem e as pessoas”, diz Karin Jones, diretora administrativa da Anastasia’s Africa e uma veterana de 36 anos na indústria de safáris. Ela é apaixonada por apoiar aqueles que estão comprometidos com esse conceito.

Para a jornada personalizada da Anastasia para o Parque Nacional Gonarezhou do Zimbábue – “o lugar dos elefantes” – Jones se uniu ao cineasta sul-africano James Suter e ao conservacionista zimbabuense Clive Stockil. “Clive transformou conflitos em turismo, garantindo que as comunidades locais se beneficiem diretamente da conservação da vida selvagem”, diz ela. “Ele criou uma situação positiva para todos ao reabilitar manadas de elefantes que antes eram mortos por danificar plantações e financiar projetos comunitários por meio de taxas de conservação e de hospedagem pagas por turistas que visitam os animais.

Kastelorizo, na Grécia

Finalizando um itinerário mais longo pela Grécia da Uncharted Travel (um que se concentra nos locais escondidos, longe das multidões dos destinos mainstream), a remota ilha grega de Kastelorizo é um local sem carros, com uma história colorida, edifícios vívidos e paisagens atmosféricas. A base lá é a Casa Mediterraneo, um refúgio de seis suítes com vista para o mar. Ficar por cinco noites já é “tratamento suficiente”, diz Liz Boudreau, fundadora da Uncharted. “A inspiração do hotel vem da cultura e tradições da ilha, com materiais obtidos localmente. É um lugar projetado para tocar todos os sentidos.”

 

Úmbria rural, na Itália

“À medida que o destinos da Itália se tornam sobrecarregadas pelo peso dos visitantes, as pequenas cidades e vilarejos rurais do país são uma alternativa refrescante, desacelerada, rica e autêntica aos seus pontos de turismo de massa”, diz a escritora e planejadora de viagens Elizabeth Heath. Com seu cônjuge, Paolo Marchetti, ela criou a Villaggio Tours para oferecer passeios em pequenos grupos de 8 a 11 dias, focados em sua pequena vila na Úmbria. Os hóspedes ficam em uma cidade murada nas colinas de 800 anos, jantam e compartilham histórias com os moradores da vila, colhem e procuram produtos sazonais, cozinham pratos locais e visitam lugares próximos para passeios privados, aulas de cerâmica, fabricação de papel e degustações de vinho.

 

“Villaggio significa ‘vila’ em italiano”, diz Heath, “e a palavra resume do que se trata: retribuir à nossa comunidade, criar novas conexões e ajudar os hóspedes a vivenciar um lado da Itália que provavelmente nunca encontrariam por conta própria.”

Informações da Forbes
Fotos: Reprodução

  • Compartilhe: