O poder dos pets para a nossa saúde mental

Ao lado das cenas inimagináveis e trágicas de milhares de pessoas que perderam entes queridos e que também perderam tudo o que construíram ao longo da vida com as cheias no Rio Grande do Sul, temos visto cenas emocionantes de gaúchos e gaúchas aos prantos ao reencontrar e abraçar os seus pets, de pessoas que só deixaram as suas casas com a condição de que seus animais de estimação fossem com elas, de grupos de proteção animal e voluntários que, numa bonita corrente, têm conseguido resgatar muitos bichinhos e, com sorte e a ajuda das redes sociais, encontrarão os seus tutores.

Também temos visto cães e humanos lado a lado na busca por desaparecidos – cães guiando o homem, ensinando-o a como fazer e onde ir procurar.

Recentemente, também testemunhamos a dor de um tutor ao constatar que seu cão havia sido enviado por uma companhia aérea a outro Estado e, por causa disso, acabou falecendo. Vimos como essa morte gerou uma onda de protestos de “pais” e “mães” de pet.

Dados apontam que o Brasil já alcançou a incrível marca de 168 milhões de pets (a maioria cães e gatos) para uma população de 215 milhões de pessoas. Isso ajuda a nos ter uma ideia do quanto eles passaram a fazer parte do dia a dia da maioria das pessoas, mesmo quando essas pessoas não têm um lugar para morar.

Por que será que amamos tanto os nossos animais de estimação? Muitos estudos vêm se debruçando nisso e no poder dos pets sobre a nossa saúde mental.

Descobriu-se, por exemplo, que só de olharmos os nossos animais, o nosso corpo responde com a liberação do chamado hormônio do amor (a ocitocina), aquele que nos ajuda a nos sentirmos bem. Ou seja, olhar para os nossos pets nos traz grande bem-estar emocional.

Verificou-se também que, na presença de seus pets, os tutores ficam mais relaxados frente a uma situação de estresse ao ponto de até a pressão arterial cair. O benefício também vale para o animal: perto de seu tutor, os animais sentem-se mais seguros e brincam mais.

Há muito tempo, presenciamos o fenômeno do crescimento da população das cidades e do aumento acelerado do espaço urbano. A solidão nos grandes centros é uma realidade e tem grande impacto na saúde mental.

E é aí que entra o animal de estimação. Não só ele costuma ser um motivador para uma pessoa sair de casa e ainda se exercitar como, de alguma forma, ele é capaz de reativar em nós a capacidade de nos relacionarmos com um outro. Muitas pessoas que são sozinhas dizem que seus bichinhos as fizeram redescobrir o que é amar e ser amado. E isso é sinal de boa saúde mental.

Os animais de estimação também são um apoio importante em momentos de luto, quando perdemos alguém ou algo que é importante para nós.

Por fim, algo que acho muito bonito: nossos pets nos fazem voltar a ser crianças e a descobrir novamente a capacidade de brincar, uma das habilidades mais importantes para o cuidado da saúde mental de adultos e de crianças.

Informações de Dr. Arthur Guerra/Forbes
Foto: Freepik

  • Compartilhe: