Bahia e Maranhão ultrapassam média histórica de chuvas em abril

Os estados do Matopiba, Bahia e Maranhão, ultrapassaram a média histórica de chuvas no mês de abril, de acordo com levantamento do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), publicado na última semana.

O Inmet informou que os principais fenômenos meteorológicos que atuaram no Brasil em abril de 2024, aconteceram nesses estados da região Nordeste, assim como no Rio Grande do Sul, na região Sul e Pará, no Norte do país, com chuvas que causaram alagamentos, deslizamentos e impactos no agronegócio.

Além disto, o mês também foi marcado por calor, típico do verão e influência do El Niño.

De acordo com o Inmet, os maiores acumulados de chuva ocorreram no centro-norte do País, devido à combinação do calor e alta umidade que contribuíram para formação de nuvens de chuva além da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) que contribuiu com o aumento das instabilidades, provocando chuvas localmente fortes na faixa norte do Brasil.

Além disso, o transporte de umidade do oceano para o continente foi o responsável por volumes de chuvas na faixa leste da região Nordeste.

O mapa acima mostra o acumulado de precipitação (chuva), em milímetros (mm), nos últimos 30 dias (áreas mais chuvosas em azul escuro e, menos chuvosas, em verde claro/amarelo).

Em abril, a ZCIT esteve mais persistente e atuou em dois períodos: 4 a 12/04 e 16 a 30/04, conforme a imagem de satélite. Além disto, o aquecimento do Oceano Atlântico favoreceu a proximidade do sistema na faixa norte do País, o que provocou chuvas intensas nesta região.

Chuvas volumosas

Nas Regiões Norte e Nordeste, pancadas de chuva localmente fortes foram observadas em áreas do Maranhão e do Pará influenciado, principalmente, pela combinação do calor e da alta umidade e reforçado pela atuação da ZCIT.

Como nos municípios de Bacabal (MA), que acumulou 121,8 mm no dia 3; Monte Alegre (PA) que chegou a 158,4 mm no dia 6; Zé Doca (MA) com 136,4 mm e Porto Velho (RO) com 135,8 mm, ambos no dia 14.

No entanto, chuvas volumosas foram observadas especialmente no litoral baiano, o que causou vários transtornos devido ao transporte de umidade do Oceano para o Continente.

Destaque para Salvador (BA) que acumulou 109,7 mm no dia 2 e Ilhéus (BA) com 115,8 mm, no dia 16.

Informações de Canal Rural
Foto: AEN

  • Compartilhe: