SAIU NA ADORO: Inovação no mercado financeiro Práticas sustentáveis ganham espaço no Setor Agrícola Brasileiro

@viesgestaoagro

Nos tempos passados, práticas prejudiciais ao meio ambiente eram uma realidade comum em fazendas e campos, impulsionando colheitas mais rápidas e ganhos financeiros. No entanto, a necessidade urgente de preservar o meio ambiente tem impulsionado uma mudança radical no setor agrícola. A implementação de práticas sustentáveis tem se mostrado cada vez mais essencial, especialmente quando consideramos os investimentos.

Conhecidas como Agenda ESG, as práticas e comportamentos alinhados aos três pilares – ambiental, social e governança corporativa – têm ganhado destaque. O foco no “E” de meio ambiente abarca o uso responsável de defensivos, descarte adequado de embalagens, preservação do solo, gestão hídrica, conservação da biodiversidade e adesão estrita à legislação ambiental.

O aspecto social, representado pelo “S”, concentra-se em garantir condições de trabalho seguras para os colaboradores e na produção de alimentos. Enquanto isso, a governança corporativa, o “G”, permanece como um desafio crucial em termos de gestão, embora todos os setores estejam cada vez mais comprometidos com a abordagem ESG.

As empresas, especialmente no campo agrícola, estão se adaptando a essa nova mentalidade de consumo e consciência do público para garantir benefícios financeiros, competitivos e organizacionais. O CEO da Viés Gestão Agro, Paulo Sarracini, destaca a importância da implementação das práticas ESG no setor para atrair investimentos. “O produtor mostra sua produção sustentável, enquanto o mercado financeiro pode promover em seu portfólio as práticas de seus parceiros, atraindo melhores oportunidades para ambos”, afirma Paulo.

No entanto, muitos produtores rurais enfrentam desafios para incorporar essas práticas em seus negócios, especialmente porque muitos já têm métodos de operação consolidados. No entanto, adaptar-se a mudanças que favorecem a produção agrícola pode ser crucial, uma vez que os consumidores estão cada vez mais interessados em conhecer as práticas de produção. “Em operações mais estruturadas junto ao mercado financeiro, nossa empresa executa um processo de “due diligence” (diligência prévia), onde é possível identificarmos os quesitos que o produtor precisa implementar ou melhorar para que sua fazenda esteja em conformidade com as práticas da pauta ESG.”, salienta.

Sarracini observa que compreender plenamente o escopo do conceito ESG e aceitá-lo como um suporte para a sustentabilidade é o primeiro passo crucial. Ele ressalta que há anos existem operações de incentivo para produtores que adotam práticas e tecnologias sustentáveis, como o Plano ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) e outras linhas de apoio ao combate ao aquecimento global. “O ESG veio para ficar, e o lado muito positivo é que com ele existem inúmeras oportunidades de negócios, desenvolvimento profissional e da comunidade, conscientização referente à sustentabilidade em todos os seus 3 pilares. Parcerias estratégicas estão sendo realizadas, treinamentos, certificações e até auditorias para garantia de que o assunto é prioridade e deve ser tratado com a devida importância”, conclui.

Foto: Guilherme Augusto

  • Compartilhe: