BRASIL: País vai sediar primeira unidade da Universidade de Oxford fora do Reino Unido

A milenar Universidade de Oxford, do Reino Unido, vai abrir no Brasil a sua primeira sede física própria fora do país: a Oxford Latam Unit. A unidade terá como foco a América Latina e será voltada para educação, desenvolvimento clínico e apoio à pesquisa científica. O objetivo é que o prédio seja inaugurado até dezembro e será dedicado, a princípio, à condução de pesquisas clínicas e o desenvolvimento de fármacos e vacinas, com foco em saúde pública. Os detalhes do processo seletivo ainda não foram divulgados.

Os primeiros cursos confirmados são as pós-graduações em Biotecnologia e Desenvolvimento de Vacinas, Saúde Global e Vacinologia e também em Desenvolvimento Clínico e Saúde Global em Vacinologia, cujas inscrições serão abertas ainda em 2023 e terão início no próximo ano. A Oxford Latam Unit também terá cursos de mestrado, ainda sem data confirmada.

Segundo a instituição, a equipe fornecerá treinamento em vigilância de doenças e mapeamento de risco usando dados epidemiológicos, com o objetivo de identificar surtos precoces de doenças infecciosas e impedi-los de se tornarem epidemias ou pandemias.

A vinda da universidade inglesa para o Brasil já era falada desde 2021, quando Oxford firmou uma parceria com o Ministério da Saúde para o desenvolvimento da vacina Astrazeneca. Desde então, as oportunidades se ampliaram e a universidade decidiu estender a parceria para toda a América Latina – agora, com uma sede própria e com um novo parceiro, a Sail for Health, empresa brasileira que atua como elo entre a comunidade científica, investidores e a indústria.

A empresa realizou uma doação de £ 5 milhões (R$ 30 milhões) para a Universidade de Oxford e, como contrapartida, recebeu a oportunidade de indicar uma cientista brasileira para ocupar uma das cadeiras dentro da universidade, a professora Sue Ann Clemens, médica brasileira especialista em doenças infecciosas e desenvolvimento clínico.

A cientista contribuiu para o desenvolvimento de mais de 20 vacinas e produtos farmacêuticos licenciados globalmente, e foi a investigadora principal do braço brasileiro do teste da vacina AstraZeneca contra a covid-19. Além disso, Clemens será a Head da Oxford Latam Unit e já lidera o Grupo de Vacina de Oxford para a América Latina.

Publicado por H.C., com informações do Estadão. Foto: Universidade de Oxforx/Divulgação

Informações do Alô Alô Bahia.
Foto: Divulgação

  • Compartilhe: