CONSUMO: Vincent van Gogh é homenageado em coleção da Montblanc

A nova Montblanc Masters of Art Collection homenageia a contribuição de grandes artistas. Esta coleção vem como a sucessora da coleção Montblanc Patron of Art, que durou 30 anos. Agora, a marca alemã move o foco dos patronos da arte para os próprios mestres.

Esta série de edições limitadas se dedica a uma variedade de artistas visuais, cujo trabalho abrange uma ampla gama de manifestações, desde pintura e escultura até design e arquitetura, abrangendo diferentes épocas, como a Renascença, o barroco ou o período do Impressionismo e além.

As proporções de cada instrumento de escrita da coleção são inspiradas na proporção áurea, um princípio estético atemporal que conecta muitas das obras de arte mais admiradas do mundo. Essa proporção áurea, ou 1,61 (Phi), também serve como inspiração especial para a nova edição limitada a 161 e será apresentada em todas as próximas coleções Masters of Art. Cada Edição Limitada 161 terá um símbolo Phi em relevo em sua pena de ouro Au 750 maciça feita à mão.

A primeira edição da coleção Montblanc Masters of Art presta homenagem ao pintor holandês Vincent van Gogh, um dos pintores mais populares do final do século 19, com ideias visionárias agora vistas como precursoras do modernismo.

Van Gogh inaugural a Coleção Masters of Art por meio de cinco instrumentos de escrita de edição limitada, que homenageiam as várias fases, pessoais e artísticos, da vida do pintor, inspirando-se em algumas de suas obras mais conhecidas.

O Museu Van Gogh em Amsterdã está em cooperação com a Maison para garantir que as edições se alinhem com a visão do museu sobre o trabalho e vida do artista.

Nascido na Holanda em 1853, Van Gogh teve o primeiro contato com a arte em 1869, como aprendiz de negociante de arte, mas foi somente em 1880 que ele decidiu se tornar um artista. Uma vez comprometido, ele começou a pintar e desenhar a vida rural ao seu redor, antes de se mudar para Paris em 1886, onde começou a experimentar cores e técnicas inspiradas no impressionismo, o movimento artístico da época.

Trabalhando na vanguarda da arte pós-impressionista, Van Gogh deu vida à sua arte com o uso ousado de cores, pinceladas dramáticas e a técnica do empasto, em que aplicava tinta espessa à tela para criar profundidade, emoção e movimento. Vincent van Gogh foi muito prolífico, considerando o pouco tempo em que atuou como pintor. Em apenas uma década, ele criou mais de 800 pinturas e mais de 1,1 mil desenhos e esboços.

Montblanc Masters of Art Homenagem a Vincent van Gogh Edição Limitada 4810

Este instrumento de escrita de edição limitada, em versão caneta-tinteiro e rollerball, celebra a época de Vincent van Gogh em Arles, com detalhes de design que evocam os trigais provençais e uma de suas pinturas mais famosas, “Girassóis”.

Em 1888, Vincent van Gogh deixou Paris e encontrou uma nova inspiração, novas condições de luz e tranquilidade em Arles, no sul da França. Ali, ele se apaixonou pelas paisagens ensolaradas e se estabeleceu para capturar o clima infundido pelo sol e as belas cores de natureza.

O corpo do instrumento de escrita, decorado em tons de amarelo e laranja, lembra as paisagens ensolaradas do sul da França, como capturadas nas obras de Van Gogh. Este período de brilho também se reflete na laca laranja usada para preencher a assinatura ‘Vincent’, gravada no anel do corpo revestido de platina da edição. Ao lado, uma gravura de ‘1888’ comemora o ano em que ele se mudou para Arles.

A famosa série de cinco pinturas de girassóis de Van Gogh também foi criada neste período, emprestando sua semelhança à interpretação gravada na pena artesanal em ouro maciço Au 750 revestida a ródio.

A espátula de Van Gogh inspirou o clipe revestido de platina, enquanto sua pincelada arrebatadora é imortalizada na laca amarela do topo da tampa. Seu gosto pelo cachimbo, ao qual ele se referiu em muitos de seus autorretratos, é capturado em um detalhe sutil do clipe: a parte superior tem a forma de um cachimbo e é preenchida com uma preciosa resina amarela.

Vincent van Gogh trabalhou intensamente para aprimorar seu conhecimento de técnicas de desenho e teoria das cores. Muitas vezes, ele testava combinações de cores antes de pintar usando novelos de lã que guardava em uma caixa e segurando os fios coloridos um ao lado do outro. Dispostos em uma superfície para comparação, os fios de Vincent van Gogh teriam feito um padrão de linhas semelhante à gravura que circunda a parte dianteira do instrumento de escrita. Da mesma forma, para superar os desafios da perspectiva, ele identificou a necessidade de um auxílio de visualização que permitisse a execução rápida e precisa de qualquer composição – um dispositivo chamado de quadro de perspectiva. Esta moldura de madeira tinha cordas esticadas para mostrar a convergência das linhas de perspectiva em direção a um ponto de fuga no centro. A subdivisão triangular criada por esses cordões inspirou o formato da tampa desta edição, enquanto as gravuras nas ferragens são inspiradas nos parafusos que prendem a moldura de perspectiva.

Como muitos colegas artistas em Paris, Vincent van Gogh era fascinado pela arte japonesa conhecida na época como Japonisme, e ficou maravilhado com o frescor das tradicionais xilogravuras japonesas, que começou a colecionar, adotando até mesmo alguns elementos de sua composição em suas próprias pinturas. A tampa desta edição é feita de madeira carpa em sinal da admiração de Van Gogh por esta forma de arte. A faca de cortar madeira ou hangi-toh usada no Japão para fazer xilogravuras inspirou a silhueta geral do instrumento de escrita.

Enquanto procurava uma vocação, Vincent van Gogh viveu como pregador leigo entre os mineiros de carvão em Borinage, na Bélgica, onde primeiro moldou suas concepções artísticas. A importância desta comunidade empobrecida como o berço das aspirações artísticas de Van Gogh é enfatizada na gravação de ‘Borinage’ no topo da tampa, que é coroada pelo emblema Montblanc em resina preciosa amarela.

Montblanc Masters of Art Homenagem a Vincent van Gogh Edição Limitada 888

MB MOA Van Gogh LE888. (Montblanc/Divulgação)

O design desta edição evoca o tempo do artista em Saint-Rémy-de-Provence e Auvers-sur-Oise com detalhes que refletem os céus provençais e uma de suas pinturas mais famosas, Wheatfield with Crows. Em 1889, depois de passar um ano altamente produtivo em Arles, ele fez de Saint-Rémy, e mais tarde, Auvers-sur-Oise sua casa, reacendendo sua criatividade no ambiente tranquilo que lá encontrou.

A gravação de ‘Saint-Rémy’ na tampa do instrumento de escrita revela o cenário para a próxima etapa da jornada pessoal do pintor. A gravação ‘1889’ no anel do corpo comemora o ano de sua mudança para Saint-Rémy, ao lado de uma de suas assinaturas preenchida com laca azul.

Durante esse tempo, Vincent Van Gogh criou impressões memoráveis dos jardins e trigais perto do santuário onde ele morava. As pinturas desse período marcaram sua maturidade como artista e inspiraram a composição de cores da tampa da Edição Limitada 888. O céu azul provençal e os trigais dourados se refletem em incrustações de laca translúcida em diferentes tons de azul e na sobreposição do esqueleto, feito de ouro amarelo Au 750 maciço. As estrelas, que brilham intensamente no céu noturno sobre os campos de trigo, são representadas por partículas cintilantes na laca azul do corpo e pelo emblema Montblanc em ouro amarelo Au 750 maciço no topo da tampa, embutido na laca azul.

Ao longo de sua estada em Saint-Rémy, Vincent van Gogh manteve laços estreitos com sua família. A imagem gravada na pena de ouro maciço Au 750 imortaliza a esperançosa pintura de Vincent Almond Blossom, sua resposta ao nascimento do sobrinho que compartilhava seu nome.

Uma das obras mais famosas de Van Gogh, esta pintura foi criada especificamente para homenagear o feliz evento familiar e simbolizar o início de uma nova vida. O estilo japonês da pintura imita a silhueta geral de uma faca de corte de madeira japonesa, ou hangi-toh. A espátula de Van Gogh inspirou o clipe revestido de platina, enquanto sua pincelada arrebatadora é imortalizada na laca azul do topo da tampa. A parte superior do clipe tem a forma de um cachimbo e é adornada com uma pedra citrina amarela.

Montblanc Masters of Art Homenagem a Vincent van Gogh Edição Limitada 161

MB MOA Van Gogh- LE161. (Montblanc/Divulgação)

Esta edição com uma limitação de 161 exemplares captura os últimos anos do artista em Saint-Rémy-de-Provence e Auvers-sur-Oise com detalhes de design que refletem seu último trabalho, Tree Roots, entre outros. Depois que Van Gogh deixou Arles, ele fez sua casa em Saint-Rémy, onde atingiu sua maturidade artística. Foi em 1890 que o pintor mudou-se para Auvers-sur-Oise, que se tornou sua última casa.

O anel de corpo de ouro maciço Au 750 é gravado com a assinatura de Van Gogh e ‘1890’, comemorando o ano em que ele desenhou sua última pintura, Tree Roots. O corpo de prata esterlina Ag 925 é decorado com incrustações de laca com design e cores de Tree Roots, obra que retrata um grupo de árvores com suas raízes expostas pela erosão na encosta de uma colina.

Enquanto os muitos auto-retratos de Van Gogh capturaram sua semelhança, suas paisagens capturaram o eu interior do artista. Em Saint-Rémy e Auvers-sur-Oise, Van Gogh aperfeiçoou sua habilidade de pintar cenas naturais vistas através de suas próprias lentes emocionais. Wheatfield and Cypresses é uma dessas pinturas, mostrando um céu impetuoso sobre uma paisagem cheia de movimento. Van Gogh pintou esta vista do asilo em Saint-Rémy três vezes. Seu desenho da mesma vista, feito a lápis, canetinha e bico de pena, é interpretado na gravura da tampa em prata de lei Ag 925.

À semelhança das outras edições da coleção, a gravura que circunda a parte dianteira do instrumento de escrita é uma referência aos fios que Van Gogh costumava usar para testar combinações de cores, uma prova de seu fascínio pela teoria das cores. Já o topo da tampa ganha forma a partir das subdivisões triangulares da moldura de perspectiva do artista, ferramenta que o ajudou a criar retratos realistas de paisagens. Os parafusos dessa moldura de perspectiva podem ser vistos nas gravuras dos encaixes. Os muitos impulsos criativos de Van Gogh são simbolizados nas facetas de laca azul que coroam o topo da tampa; embutido neste campo azul está o emblema Montblanc em ouro maciço Au 750, ecoando as estrelas brilhantes frequentemente encontradas em suas obras.

A premiada espátula de Van Gogh, usada para criar seu famoso estilo de impasto, inspirou a forma do clipe do instrumento de escrita, enquanto sua pincelada é imortalizada na área triangular de laca no topo da tampa. O amor bem capturado de Van Gogh por fumar cachimbo é capturado no clipe da caneta, adornado com uma pedra de citrino.

Semelhante às outras edições, a silhueta da Edição Limitada 161 segue a de uma faca de cortar madeira japonesa, enquanto o formato do cone de ouro maciço Au 750 lembra a lâmina de corte desta faca. A forma como Van Gogh se inspirou na arte japonesa demonstra a universalidade de conceitos artísticos como o Golden Cut, ou 1.61 (Phi), que serviu de inspiração para o relevo do símbolo Phi na pena artesanal em ouro maciço Au 750 e para o limitação a 161 peças.

Montblanc Masters of Art Homenagem a Vincent van Gogh Edição Limitada 90

MB MOA Van Gogh LE90 – Lifestyle. (Montblanc/Divulgação)

O design desta edição limitada a 90 peças celebra o tempo de Van Gogh em Arles, refletindo as paisagens provençais vistas em sua obra The Harvest e homenageando sua técnica de impasto. Em Arles, Van Gogh foi capaz de insuflar uma qualidade mágica em suas pinturas usando cores vivas e um estilo empastado emocional – aplicando tinta grossa em pinceladas ásperas para criar uma topografia de camadas coloridas.

O empasto de Van Gogh era intenso, a cor potente e os golpes da espátula vigorosos. Na Edição Limitada 90, esta técnica é interpretada à mão adornando a tampa e o corpo. Inspirada em obras-primas como The Harvest, a obra de arte feita à mão é composta de cores usadas por Van Gogh para suas visões de Provence: amarelos quentes, laranjas ressonantes e verdes suaves. Cada instrumento de escrita é único na forma como os traços de cor se fundem, dando a esta edição a qualidade de uma tela pintada.

A gravação de ‘Arles’ no topo da tampa enfatiza a importância deste lugar para Van Gogh. Incrustado no topo da tampa em um campo de laca azul como uma das estrelas brilhantes de Vincent – uma imagem encontrada repetidamente em suas obras – está o emblema Montblanc em ouro amarelo Au 750 maciço. O ano em que Vincent van Gogh se mudou para Arles é comemorado em uma gravura de ‘1888’ ao lado da assinatura ‘Vincent’ no anel do corpo.

A silhueta da Edição Limitada 90 toma a forma de uma faca de corte de madeira japonesa, refletindo o fascínio de Van Gogh pelas tradicionais xilogravuras japonesas. A forma do cone de ouro amarelo Au 750 maciço também imita a lâmina cortante da faca.

A gravura cheia de laca do instrumento de escrita circundando sua parte dianteira em azul e laranja é um aceno para os fios que Van Gogh usou para testar combinações de cores, uma prova de sua compreensão da teoria das cores. Esse fascínio pela cor também foi visto em sua série de cinco pinturas de Girassóis, servindo de inspiração para o relevo na pena artesanal em ouro amarelo Au 750 maciço. O topo da tampa ganha forma a partir das subdivisões triangulares do quadro de perspectiva de Van Gogh, uma ferramenta que o ajudou a criar retratos realistas de paisagens, e cujos parafusos são representados pelas gravuras nas ferragens.

A espátula de Van Gogh inspirou o clipe revestido de ouro amarelo, enquanto sua pincelada é imortalizada na laca laranja do topo da tampa. O artista também é conhecido por ter pintado 35 auto-retratos durante sua vida; um deles, intitulado “Auto-retrato com Chapéu de Palha”, inspirou a gravura da frente. Da mesma forma, o gosto documentado de Van Gogh por fumar cachimbo é capturado nos detalhes do clipe, com a parte superior em forma de cachimbo e definida aqui com uma opala de fogo.

Montblanc Masters of Art Homenagem a Vincent van Gogh Edição Limitada 8

MB MOA Van Gogh- LE8. (Montblanc/Divulgação)

Esta edição com uma limitação de apenas 8 peças é uma prova dos céus azuis – de tirar o fôlego – e o estilo de pincelada que fizeram do trabalho de Van Gogh Wheatfield with Crows uma verdadeira obra-prima.

Pintado em Auvers-sur-Oise após sua estada no sul, a obra de arte retrata um céu azul profundo contrastando com o amarelo brilhante de um campo de trigo pontilhado de pássaros pretos. A qualidade de joia deste céu é capturada na arte de laca azul na tampa e corpo em ouro maciço Au 750, que é parcialmente cravejado com diamantes de corte brilhante e aprimorado com gravuras em espiral que ecoam os movimentos do pincel de Vincent sobre a tela. A imagem do céu continua no topo da tampa, onde um campo (pintado à mão) de laca azul intenso com bordas de diamantes de corte brilhante emoldura o diamante Montblanc no centro em uma configuração de ouro maciço Au 750.

Em homenagem ao amor de Van Gogh pelas paisagens naturais, a tampa apresenta um elaborado desenho de marchetaria artesanal incrustado em ouro branco Au 750 maciço, revestido a ródio e composto por minúsculos pedaços de madrepérola, sicômoro, tulipeira, besouro elytra e palha – uma referência aos trigais dourados de Vincent. Safiras, turmalinas Paraíba e diamantes de lapidação brilhante em torno da marchetaria incrustada intensificam sua vivacidade.

Da mesma forma que nas outras edições da coleção, a gravura laqueada do instrumento de escrita circundando a parte dianteira é um aceno para os fios coloridos que Van Gogh usou para testar combinações de cores, uma prova de seu profundo conhecimento da teoria das cores. Já o topo da tampa ganhou forma a partir das subdivisões triangulares do quadro de perspectiva do artista, ferramenta que o ajudou a criar retratos realistas de paisagens, e cujos parafusos estão representados nas gravuras dos encaixes

A silhueta da Edição Limitada 8 imita uma faca de cortar madeira japonesa, enquanto o corpo de ouro maciço Au 750 e a forma do cone lembram a lâmina de corte desta faca. A afinidade de Van Gogh com o estilo de arte japonês também é vista em uma de suas obras mais famosas, Almond Blossom, pintada em resposta ao nascimento de seu sobrinho homônimo. Seus laços estreitos com sua família também se refletem em uma carta a seu irmão, Theo, em 25 de setembro de 1888, na qual Van Gogh comemorou sua capacidade de transformar inspiração em nova arte. Uma citação desta carta está gravada à mão em uma superfície sólida de ouro Au 750 assinada no corpo e no cone: ‘Le tableau me vient comme dans un rêve.’ (‘A pintura vem a mim como se fosse um sonho.’)

A premiada espátula de Van Gogh, usada para criar seu icônico estilo de impasto, inspirou a forma do clipe revestido de ródio do instrumento de escrita, enquanto sua pincelada é imortalizada na área triangular de laca no topo da tampa. Van Gogh também é conhecido por ter pintado 35 auto-retratos; um deles, “Auto-Retrato com Chapéu de Feltro Cinzento”, inspirou a gravura da parte dianteira. Sua assinatura, ‘Vincent’, gravada e preenchida com laca azul, adorna o anel do corpo abaixo do retrato. Em seus retratos, também foi documentada a afinidade do artista com o cachimbo: isso se reflete no detalhe do clipe revestido de ródio, com a parte superior em forma de bojo de cachimbo e cravejado com uma safira azul para esta edição.

Acessórios de Escrita

Acompanhando as edições limitadas da coleção, há uma seleção de acessórios de escrita. Um refinado caderno inspira seu design na paisagem ensolarada de Wheatfield com um Reaper, criado por impressão 3D para lembrar a técnica de impasto de Van Gogh. A capa do caderno também é adornada com a assinatura de Van Gogh. Enquanto isso, o turquesa suave de seu trabalho Almond Blossom inspirou a tinta Montblanc na tonalidade turquesa.

Informações da Exame.
Fotos: Divulgação

  • Compartilhe: