SÃO JOÃO: Dicas para amenizar estresse e ansiedade dos pets com fogos de artifício

Quando chega o período junino, os tutores de pet já se preocupam com o comportamento do animal, já que são comuns ocorrências como estresse, ansiedade, fuga e até taquicardia e ataque epilético nos bichinhos por conta dos fogos de artifício. Apesar de mais discretos que os cachorros, os gatos também costumam apresentar alterações no comportamento.

“Os animais conseguem escutar de duas a três vezes mais que nós seres humanos, então eles têm uma sensibilidade no canal auditivo muito maior que a nossa”, explica a titular da Secretaria de Sustentabilidade, Resiliência, Bem-Estar e Proteção Animal (Secis), Marcelle Moraes.

O que fazer para amenizar estresse dos animais com fogos de artifício?

Para amenizar o estampido dos fogos, a titular da Secis recomenda fechar portas e janelas e abafar os locais de entrada do som com cobertor ou edredom. “Se o animal permitir e o tutor tiver o manejo, é possível, ainda, colocar um pedaço de algodão na região do ouvido, ajuda bastante. É importante também estar sempre próximo do animal nesse período”, afirma.

“A dica é manter a calma, ficar próximo ao animal e não deixá-lo sozinho nesse período. Se não houver alternativa e ele tiver que ficar só, retire do local objetos com os quais ele possa se bater, deixe o ambiente o mais livre possível, tome cuidado para que ele não fuja e em caso de acidente, leve o seu pet imediatamente ao médico veterinário”, completa Marcelle.

Em relação à alimentação, a orientação é não dar comida típica ao gato ou ao cachorro. Segundo os médicos veterinários, o animal deve comer apenas o alimento apropriado para ele, como ração, músculos, frango ou patinho sem tempero. Alguns alimentos, inclusive, podem ser tóxicos, como o amendoim.

Informações do Alô Alô Bahia.
Foto: BenYur

  • Compartilhe: