TURISMO: Cidadela construída no Atlântico na França completa mil anos

Exatamente 1.000 anos atrás, neste mês, começou a construção de uma magnífica ilha na costa da França que, ao se erguer de forma improvável das águas agitadas do oceano Atlântico, se tornaria um símbolo duradouro da fortaleza nacional.

A abadia medieval no topo do Monte Saint-Michel, uma cascata de paredes e contrafortes que desce de uma elevada torre central, foi uma criação espetacular que desempenhou papéis cruciais na história da França ao longo dos séculos. Hoje, ao completar um milênio desde o início das obras, é uma das atrações turísticas mais populares do país fora de Paris – às vezes dominada por sua própria popularidade a tal ponto que seus guardiões recomendam que as pessoas fiquem longe.

A abadia, que fica na costa da região francesa da Normandia, a oeste de Paris, atraiu legiões de peregrinos ao longo dos séculos. Hoje, atrai 1,3 milhão de turistas por ano.

“No espaço de 1.000 anos, sua silhueta se tornou um emblema do universalismo francês”, escreveu o presidente francês Emmanuel Macron no Twitter em 5 de junho, após uma visita oficial ao local.

“A abadia, o símbolo do que somos: um povo de construtores”, escreveu.

Para comemorar o aniversário da abadia, o Monte está sediando concertos, conferências e um show visual chamado “Millennium Solstício” em 23 de junho, que contará com um show de luzes inédito.

 

Um testemunho da história

Erguendo-se de uma baía flanqueada pelas regiões da Normandia e da Bretanha, cercada por areia movediça, a abadia gótica do Monte Saint-Michel ergue-se sobre sua vila e grossas muralhas de fortaleza. Quando a maré sobe, o Monte emerge da água como uma Atlântida francesa, uma maravilha arquitetônica situada em uma bela paisagem natural.

Tornou-se um Patrimônio Mundial da Unescoem 1979. Um “casamento do gênio humano e da natureza”, comentou o presidente Macron em um discurso comemorando o milênio da abadia.

Apelidado de “maravilha do mundo ocidental”, a história do Monte remonta ao ano 709, quando um santuário em homenagem a São Miguel Arcanjo foi erguido na rocha. Tornou-se um local sagrado que continuou a evoluir do século 11 ao século 16.

A abadia testemunhou momentos importantes da história francesa, tornando-se uma fortaleza durante a Guerra dos Cem Anos dos séculos 14 e 15 e sobrevivendo a um cerco de 30 anos pelos britânicos. Tornou-se uma prisão durante a Revolução Francesa do século 18.

Em 1863, 14.000 prisioneiros haviam passado algum tempo na “Bastille of the Seas”, onde as marés e a areia movediça tornavam a fuga impossível. As famílias dos prisioneiros substituíram os peregrinos que antes passeavam pelas ruas da aldeia.

Foi durante a Belle Époque antes da Primeira Guerra Mundial que o monumento gradualmente se tornou a atração turística mundial que conhecemos hoje. Um de seus marcos populares é a famosa pousada Mère Poulard, em homenagem a sua fundadora, a brilhante cozinheira Annette Poulard, que recebe visitantes desde 1888.

 

Em 1944, o autor Ernest Hemingway, na época correspondente de guerra, supostamente sentou-se em uma mesa na La Mère de Poulard para descrever as façanhas dos desembarques do Dia D, incluindo uma das batalhas decisivas pela libertação da França e da Europa, que ocorreu a poucos quilômetros do Monte Saint-Michel, perto da cidade completamente destruída de Avranches.
Preocupações com o excesso de turistas

O Monte Saint-Michel sempre foi extremamente popular, atraindo milhões de peregrinos ao longo de sua história.

“Foi o maior local de peregrinação do Ocidente, séculos atrás, à frente de Santiago de Compostela”, disse à CNN Thomas Velter, diretor administrativo do Mont Saint-Michel National Public Establishment.

Atualmente, cerca de 3 milhões de pessoas visitam o local todos os anos, sendo alguns finais de semana mais movimentados do que o normal. O fim de semana da Ascensão de Nossa Senhora em maio viu o local lotado de visitantes entre 11h e 15h – um número que as autoridades alarmadas geralmente esperam apenas no pico do verão.

“Vendemos 10.500 ingressos na abadia, o que é um recorde”, disse Velter à CNN.

“O fim de semana da Ascensão costuma ser bastante movimentado, mas, neste caso, foram muitas pessoas ao mesmo tempo.”

No total, foram cerca de 33 mil pessoas no local, o que não é um recorde em si, mas ainda é muito para o Monte, que costuma esperar essa quantidade de turistas em agosto, época da alta temporada.

“É principalmente o visitante que sofre porque a visita ao Monte é menos confortável”, disse Velter.

“Desde a Covid, os turistas toleram menos dias lotados como este porque puderam saborear a alegria de visitar locais com quase nenhum visitante.”

Com as comemorações do milênio, os números iniciais para 2023 sugerem que o Monte Saint-Michel continuará sendo uma atração turística muito popular, o que representa alguns problemas para seus doze habitantes, lojas e paisagem natural.

“Não acho que seja bom para lojistas, hoteleiros e restaurantes porque eles simplesmente não conseguem atender à demanda dos clientes. O Monte Saint-Michel tem um quilômetro quadrado de circunferência e uma rua comercial. Quando você coloca mais de 5.000 pessoas em um horário específico na rua, não acho muito agradável”, disse Velter.

Em esforços para aumentar a sustentabilidade, os ônibus que conectam o local agora funcionam com biocombustíveis em vez de diesel. Enquanto isso, os visitantes são incentivados a explorar a área mais ampla da baía durante o horário de pico das 11h às 15h e aproveitar o estacionamento gratuito a partir das 18h30.

“Aproveite a natureza e os passeios de barco que organizamos, por exemplo. Há focas, enguias e salmão do Atlântico aqui”, disse Velter.

“O que muitas vezes esquecemos é que existe a maior colônia de golfinhos da Europa, então também é uma chance de descobrir o Monte Saint-Michel de maneira diferente.”

Informações da CNN.
Fotos: Reprodução

  • Compartilhe: