Oeste da Bahia tem duas representantes no grupo Forbes Mulher Agro (FMA)

Duas lideranças femininas do Oeste da Bahia integram o Forbes Mulher Agro (FMA), grupo criado pela emblemática publicação, para discutir a agenda do setor rural, e que congrega 40 mulheres, representantes de diversas cadeias produtivas agrícolas do Brasil.

A vice-presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa), Alessandra Zanotto Costa, e a vice-presidente da Federação da Agricultura da Bahia (Faeb), Carminha Gatto Missio, ambas, produtoras rurais e empresárias atuantes, com grande representatividade na região e no estado. Na noite de 02 de maio, durante a Agrishow, em Ribeirão Preto (SP), elas participaram do jantar, oferecido pela Forbes, para o lançamento do FMA.

O FMA é um espaço de mulheres influenciadoras, e partiu da constatação, pelo grupo editorial, do crescimento da presença feminina nas posições de decisão. “O agro, que puxa a economia do país, tinha que ter uma presença importante dentro disso (a decisão de criar a Forbes Agro) e as mulheres, também”, afirmou Antonio Camarotti, CEO e publisher da Forbes no Brasil. A jornalista e editora da Forbes Agro, Vera Ondei, ressalta que a revista tem acompanhado de perto a história dessas mulheres protagonistas. “Já publicamos a Lista Forbes 100 mulheres poderosas do agro, em 2021, que se pautou por mostrar como é diverso o mundo feminino das lideranças do setor”, explica.

Para Alessandra Zanotto Costa, representar as mulheres do agro do Brasil não é um objetivo em si, mas a consequência de um trabalho e de um posicionamento que reflete a história de muitas outras mulheres do setor. “Muitas de nós somos a segunda geração numa família sem sucessores homens, ou nos destacamos, com conteúdo e coragem suficientes para nos manifestar, mesmo em meio à maioria masculina. Estudamos para isso e acumulamos experiência, em nosso dia a dia, para defender as nossas opiniões. Não queremos estar à frente nem a reboque de ninguém. Se pudermos inspirar outras mulheres, ficaremos muito contentes e o agro só tem a ganhar”, afirma Alessandra, que é sócia-diretora do Grupo Zanotto.

Carminha Gatto Missio, gestora e sócia-fundadora do Condomínio Santa Carmem, lembra a importância da cidade para amplificar a importância do agro. “Reunir mulheres do agronegócio em um grupo como o FMA é importante para aproximar campo e cidade. O papel da mulher é muito relevante, mas nada começa no campo. Tudo começa na área urbana e se expande para as cidades. Quanto mais nos tornamos referência e luz para outras mulheres, maior se torna nossa responsabilidade”, considera Carminha.

  • Compartilhe: