SEGURANÇA: Sindicato das escolas particulares da Bahia divulga orientações para eventuais ataques

O Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado da Bahia (Sinepe-BA) emitiu um comunicado com orientações de ações a serem tomadas em eventuais ataques contra as instituições de ensino. Em carta enviada na última semana, a entidade também fez alerta sobre o debate em torno da saúde mental dos alunos nas escolas, e pregou que o assunto seja discutido no interior das instituições.

“Nesta sociedade, na qual a competitividade, a performance e o espetáculo são crescentemente valorizados, muitos indivíduos com fatores ambientais e predisposição genética, entram em surto psicótico. Como escola, precisamos ficar mais atentos a humores atípicos de pessoas da comunidade escolar. Precisamos falar sobre saúde mental no interior das escolas e ficar mais atentos a coisas estranhas”, disse o Sinepe em carta assinada pelo presidente da instituição, Jorge Tadeu Pinheiro Coelho.

Veja as orientações da Sinepe para eventuais ataques:

  • Tenha em mãos os números da Samu (192), da Polícia Militar (190), Ronda Escolar e Corpo de Bombeiros (193);
  • Identificação daqueles que entram na instituição de ensino (pais, prestadores de serviços e todos os demais);
  • Manter os portões fechados no estabelecimento de ensino;
  • Converse com o pessoal da portaria, alerte a prestar atenção à alterações comportamentais de qualquer pessoa que esteja entrando na escola, bem como, a prestar atenção nos objetos que ela carrega;
  • Solicite aos professores que comuniquem às respectivas coordenações e direções situações de comportamentos atípicos de alunos , bem como, a suspeita de pertences que possam ferir outras pessoas;
  • Reúna o pessoal que trabalha nos pátios, nas áreas de recreação que fiquem atentos a comportamentos atípicos dos alunos e de qualquer pessoa do interior da escola, bem como, os objetos portados, esquecidos na instituição de ensino;
  • Se julgar necessário, estabeleça um plano emergencial de saída da escola para encaminhar as crianças  e colaboradores para o lugar seguro mais próximo;
  • Não confronte uma pessoa em surto;
  • Em caso de diálogo com pessoas em surto, utilize uma voz calma e serena para que a descompensação aguda emocional não seja exacerbada.
  • Além disso, busque um psiquiatra rapidamente.

DENÚNCIA DE ATAQUE 

A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) comunicou que casos de ameaças devem ser comunicados para a direção da unidade escolar, que registra o boato junto ao órgão de polícia. Pais ou educadores que tiverem acesso a tais informações também podem denunciar de forma direta, seja presencialmente, numa delegacia, ou por meio da plataforma Delegacia Virtual. A recomendação é a mesma para estudantes da rede pública ou privada de ensino.

Informações da Sinepe
Foto: Freepik

  • Compartilhe: