Saiba quem são os 10 artistas mais bem pagos de 2022

Após lançar seu décimo álbum de estúdio, Midnights, em outubro de 2022, Taylor Swift se tornou a primeira artista da história a reivindicar os dez primeiros lugares na lista de músicas da Billboard Hot 100. Um mês depois, 14 milhões de fãs leais tentaram comprar ingressos para a turnê Eras 2023 da 12 vezes vencedora do Grammy, sobrecarregando o sistema da Ticketmaster e provocando uma reação maciça contra o site de ingressos, com o Departamento de Justiça abrindo uma investigação antitruste.

Apesar do sucesso de Midnights e da antecipação da turnê Eras (que sugere um 2023 ainda melhor), a ícone pop obteve a maior parte de seus US$ 92 milhões (R$ 479,74 milhões) em ganhos com as músicas que ela lançou nos últimos anos. O catálogo da cantora de 33 anos representava cerca de 70% de seu salário, incluindo lucros de streaming e vendas de álbuns. Foi o suficiente para colocá-la em 9º lugar entre os dez artistas mais bem pagos; é a sexta vez que ela é listada, em 2019 ficou em primeiro lugar.

A Universal Music Group, que obtém 3% de sua receita com as músicas de Swift, vendeu US$ 50 milhões (R$ 260 milhões) em álbuns físicos em 2022, de acordo com um relatório de analista do JP Morgan.

Por melhor que tenha sido o ano de Taylor Swift, foi ainda melhor para várias estrelas do rock bem mais velhas. Os Rolling Stones arrecadaram US$ 98 milhões (R$ 511 milhões) com seus sucessos e comemorando 60 anos juntos em sua turnê European Sixty no ano passado.

Genesis e Sting se saíram melhor ainda. Embora não com as avaliações impressionantes vistas nos negócios de US$ 500 milhões (R$ 2,60 bilhões) de Bob Dylan ou Bruce Springsteen, ambos venderam o trabalho de suas vidas por US$ 300 milhões (R$ 1,56 bilhão) cada, mostrando que os investidores ainda veem a música popular com grandes acervos como uma aposta segura.

O Genesis atingiu esse valor mesmo com o acordo excluindo o trabalho do ex-membro Peter Gabriel. A banda até derrotou o ex-líder do The Police (que os fãs mais jovens podem conhecer melhor por sua participação em Only Murders In The Building, do Hulu, ao lado de Selena Gomez), graças a uma infusão estimada de US$ 27 milhões (R$ 140,79 milhões) da turnê – o suficiente para ganhar o primeiro lugar na lista pela primeira vez.

Existem muitos outros sinais de que a indústria do entretenimento gosta de coisas certas. Trinta e quatro anos depois que Os Simpsons foi ao ar pela primeira vez, dois criadores da família amarela favorita da América estrearam no 5º lugar, graças a um acordo de streaming de 2019 que migrou todas as 30 temporadas para o Disney + e colocou US$ 105 milhões (R$ 547,53 milhões) não declarados em seus bolsos anualmente.

E James Cameron, o diretor contra o qual você “nunca apostou”, voltou ao Top 10 depois de 12 anos afastado. Sua sequência de Avatar, O Caminho da Água, e seus seres de pele azul deram uma revitalizada ao voltar às bilheterias. Ainda nos cinemas, arrecadou mais de US$ 2,1 bilhões (R$ 10,95 bilhões) até agora desde seu lançamento em dezembro.

Os artistas de bilheteria tiveram uma vida mais difícil. Os únicos no Top 10 são Tyler Perry e Brad Pitt, que ganharam a maior parte de sua renda fora das telas. Pitt, que apareceu pela última vez entre os dez primeiros em 2009, vendeu uma participação majoritária em sua produtora Plan B para o conglomerado de mídia europeu Mediawan em um acordo de dezembro que avaliou o negócio em US$ 300 milhões (R$ 1,56 bilhão). Seus papéis em Trem Bala, Babilônia e Cidade Perdida representaram um terço estimado de sua renda.

O único verdadeiro recém-chegado à lista deste ano é o rapper porto-riquenho Bad Bunny, que vendeu US$ 400 milhões (R$ 2,08 bilhões) em ingressos para suas duas turnês – a primeira na primavera e a segunda no outono americanos, quando também se apresentou na América Latina. Os dados são do rastreador de shows Pollstar.

Sua segunda turnê, apelidada de The World’s Hottest, foi cara. Foram necessários de 35 a 40 caminhões para transportar equipamento e equipe de um local para outro nos Estados Unidos e, em seguida, usaram três aviões – incluindo um jato de carga 747 – para transportar tudo para a turnê latino-americana, disseram fontes com conhecimento da turnê. Esse tipo de espetáculo pode ter ajudado nas vendas, mas significou menos dólares no bolso da estrela. Incluindo patrocínios, Bad Bunny ganhou US$ 88 milhões (R$ 458,88 milhões).

Ao todo, os maiores ganhadores deste ano arrecadaram US$ 1,35 bilhão (R$ 7,04 bilhões), metade do Top 10 do ano passado, que incluiu Jay-Z, Kanye “Ye” West e Bruce Springsteen. Apenas dois apareceram em ambas as listas: Tyler Perry e os criadores de South Park, Trey Parker e Matt Stone.

1. Gênesis
US$ 230 milhões (R$ 1,2 bilhão)

Os pioneiros do rock progressivo chegaram ao topo de 2022 com uma venda de direitos musicais de US$ 300 milhões (R$ 1,56 bilhão) para o Concord Music Group, em setembro. O acordo envolvia os direitos de publicação e uma seleção de receitas musicais gravadas do grupo, bem como receitas solo de Phil Collins (incluindo o hit “In The Air Tonight”) e dos companheiros de banda Tony Banks e Mike Rutherford. Os royalties da música gravada e em turnê completavam sua receita.

2. Sting
US$ 210 milhões (R$ 1,09 bilhão)

O 17 vezes vencedor do Grammy e ex-vocalista do The Police – conhecido por sucessos como “Every Breath You Take” e “Roxanne” – embolsou US$ 300 milhões (R$ 1,56 bilhão) antes das taxas vendendo toda a sua produção musical, tanto solo quanto com o The Police, para o Universal Music Group, em fevereiro de 2022. “É um bom catálogo”, diz um antigo advogado da indústria sobre o trabalho do cantor britânico. “Não me importaria de possuí-lo.”

3. Tyler Perry
US$ 175 milhões (R$ 912,55 milhões)

Basta chamar o multi-hifenizado Perry de homem renascentista moderno. O ator-diretor-roteirista-superrico de estúdio teve outro ano lucrativo graças aos fluxos de renda simultâneos de filmes, programas de TV e o amplo backlot (espaço para construção temporária de cenários) de produção que ele possui em Atlanta. Em seu segundo ano entre os dez artistas mais bem pagos da Forbes, Perry é o único bilionário da lista com uma fortuna estimada em US$ 1 bilhão (R$ 5,20 bilhões).

4. Trey Parker e Matt Stone
US$ 160 milhões (R$ 834,34 milhões)

A dupla diabólica por trás de South Park teve outro ano marcante, graças aos ganhos de um acordo herdado da HBO Max e do Livro de Mórmon, seu musical cômico da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. A maior parte vem do contrato com a Paramount, assinado em 2021 e garantindo à dupla US$ 935 milhões (R$ 4,87 bilhões) em seis anos.

5. James L. Brooks e Matt Groening
US$ 105 milhões (R$ 547,53 milhões)

A família de desenho animado amarela favorita da América, Os Simpsons, migrou todas as 30 temporadas da FX para o Disney+ em um acordo de streaming firmado em abril de 2019, após a aquisição anterior da Fox pela Disney por cerca de US$ 52 bilhões (R$ 271 bilhões). Os co-criadores da série, Brooks e Groening, ganharam US$ 105 milhões anualmente após taxas, segundo fontes familiarizadas com o negócio.

6. Brad Pitt
US$ 100 milhões (R$ 521,46 milhões)

A venda majoritária de Pitt de sua produtora Plan B em dezembro rendeu ao ator cerca de US$ 113 milhões (R$ 589,25 milhões) após taxas. O acordo também gerou comentários de Hollywood. “Definitivamente se tornou uma marca”, diz um advogado, acrescentando que a Plan B, além de produzir os vencedores do Oscar Moonlight, 12 Anos de Escravidão e Os infiltrados, de Martin Scorsese, provavelmente possui back-ends e tem uma lista de desenvolvimento que aumentaria seu valor. “Na verdade, ela não tem ativos”, diz um segundo advogado, ressaltando que a empresa simplesmente produz projetos, em vez de possuí-los. Pitt ganhou cerca de US$ 30 milhões (R$ 156,44 milhões) adicionais com papéis em Trem Bala, Babilônia e Cidade Perdida.

7. Rolling Stones
US$ 98 milhões (R$ 511 milhões)

Se Mick Jagger, Keith Richards e companhia “não conseguem (não) satisfação” (I can’t get no satisfaction) com uma turnê de US$ 136 milhões (R$ 709,19 milhões) e royalties de discos, então talvez eles devam pintar seus cofres de preto. Os roqueiros britânicos originais embolsaram mais de US$ 8,5 milhões (R$ 44,32 milhões) por noite em uma turnê de 15 cidades pela Europa no verão passado, conforme o rastreador de shows Pollstar.

8. James Cameron
US$ 95 milhões (R$ 495,39 milhões)

Sua carteira vai continuar: o sucesso estrondoso de Avatar: O Caminho da Água fez de Cameron o diretor de três dos filmes de maior bilheteria de todos os tempos, ao lado do primeiro Avatar (2009) e Titanic (1997). Sua segunda passagem por Pandora rendeu a ele pelo menos US$ 95 milhões, segundo especialistas do setor, em um acordo que dizem ser pesado com bônus por ultrapassar certos limites de bilheteria.

9. Taylor Swift
US$ 92 milhões (R$ 479,74 milhões)

Fluxos de receita combinados de vendas de discos físicos, streaming em plataformas como Spotify, downloads digitais, licenciamento e sincronização compõem os ganhos de Swift. Isso levanta a questão: o que a superestrela de 33 anos (e sua base de fãs leais, os Swifties) não pode realizar? Bater na Ticketmaster com uma demanda insana por sua turnê Eras, em novembro de 2022, sugere um 2023 ainda maior para ela, já que a cantora estará na estrada por 52 noites nos Estados Unidos com um potencial pagamento de 9 dígitos como resultado.

10. Bad Bunny
US$ 88 milhões (R$ 458,88 milhões)

O rapper porto-riquenho, mais conhecido por combinar reggaeton (uma mistura de reggae caribenho e rap do continente) com armadilha latina (um subgênero do hip hop com raízes no sul dos EUA) encantou milhões em todo o mundo enquanto voava em turnê, apareceu ao lado de Brad Pitt em Trem Bala, e desafiou o machismo com estilo de gênero fluido. A maior parte de sua renda veio de duas turnês: El Último Tour Del Mundo, realizada em arenas, e The World’s Hottest Tour, sua primeira vez nos maiores estádios. Patrocínios de nomes como Corona, Cheetos e Adidas foram a cereja no topo do bolo.

Informações da Forbes.
Foto: Divulgação

  • Compartilhe: