SAIU NA ADORO: Quer aumentar vendas? Cristina Marçal ensina como apostar nos gatilhos mentais!

O cérebro humano é capaz de processar diversos estímulos que agem diretamente na tomada de decisão de um indivíduo, e isso fica ainda mais evidente quando se trata de relações comerciais. O motivo é que o consumo de produtos e serviços está diretamente ligado à forma como o meio exerce influência sobre cada pessoa. É exatamente nesse contexto que o neuromarketing se apresenta como uma forte estratégia, talvez a melhor, para impulsionar as vendas de um negócio.

Quem faz esse alerta é a administradora, especialista comportamental e gestora da Destaque Consultoria, Cristina Marçal. Segundo ela, o uso dos gatilhos mentais – uma das ferramentas do neuromarketing –  favorece o acionamento dos sentidos do cliente, gerando familiaridade e o desejo de consumo:  “O neuromarketing entra justamente para ativar esses gatilhos e vender muito mais. Isso acontece porque no momento da venda é possível fidelizar e persuadir o cliente para que ele se sinta acolhido e apaixonado pelo produto ou serviço oferecido”, explica Cristina.

Por isso, cada detalhe deve ser estrategicamente planejado a fim de se tornar um gatilho mental, como a escolha das cores, formatos e aromas, ativando os cinco sentidos do cliente, como explica a profissional: “Gosto de dar como exemplo uma loja de roupas. Este é o espaço no qual a gente vai trabalhar a iluminação, a temperatura, a climatização adequada, o cheiro e até os sons, que devem ser adequados ao ambiente e ao público-alvo. Tudo isso faz com que a pessoa se sinta bem no local e vai ser determinante para definir o tempo em que ela permanecerá na loja e, consequentemente, gerar mais consumo. Isso é neuromarketing.”

Esses conceitos são tão importantes que fazem parte do conteúdo da maioria dos treinamentos voltados para vendas, liderança e relacionamento interno, oferecidos por Cristina: “Atualmente se faz cada vez mais necessário esse investimento em novos conhecimentos porque isso auxiliará não somente o aumento das vendas, mas principalmente o relacionamento da equipe. O maior capital da empresa sempre será o capital humano. Então, se temos pessoas engajadas com o propósito da empresa trabalhando com o que tem habilidade, certamente elas produzirão mais“, destaca a consultora.

Foto: Divanildo Silva

  • Compartilhe: