Prêmio elege as 20 melhores fotos de viagem de 2022

Das montanhas da Bulgária aos pinguins da Antártida acompanhando as pessoas em caminhadas, das salinas na Bolívia às cervejarias na Alemanha, os vencedores do concurso World Travellers Photo, do Life Framer, são incríveis.

O concurso de 2022 foi julgado pelo célebre fotógrafo de viagens Steve McCurry, membro da Magnum Photos, quatro vezes vencedor do World Press Photo e criador de várias das imagens mais icônicas do nosso tempo.

A diretriz era simples: há um mundo lá fora para explorar. Abra os olhos para suas paisagens, pessoas, culturas – à sua porta ou a 10 mil quilômetros de distância. Expanda nossos horizontes com vistas dos quatro cantos do globo.

Os vencedores e a lista final de 20 melhores fotos de viagem de 2022 incluem fotografia de rua, paisagens, retratos, trabalhos documentais e conceituais. Uma mini turnê mundial da perspectiva de fotógrafos amadores e profissionais que trabalham ao redor do mundo – que nos lembra o pequeno espaço que cada um de nós ocupa nesse vasto mundo.

Os prêmios de fotografia da Life Framer apresentam fotografia criativa de artistas amadores e profissionais. Cada concurso anual é supervisionado por um fotógrafo de renome mundial ou profissional da indústria e os vencedores são exibidos em espaços de galeria em todo o planeta.

Confira a seguir 15 destaques da premiação:

Membros da banda de gaita de foles da marinha francesa “Bagad Lann Bihoue” visitam a Esfinge em outubro de 2020, sua primeira e única saída durante a Covid-19. Devido ao auge das restrições de viagens durante a pandemia, a visão turística normalmente muito lotada estava praticamente vazia de turistas, criando uma cena muito surreal.

Steve McCurry comentou: “Muitas vezes pode ser um desafio criar um ponto de vista pessoal em marcos famosos. Essa imagem parece autêntica e conta uma história.”

Um pastor da Bulgária embala um cordeiro em seu abraço caloroso em contraste com um cenário implacável. A imagem dá uma sensação da combinação de dureza e suavidade necessária para a vida.

Olhando além do quadro, o sujeito parece perdido em seus pensamentos examinando sua paisagem, e somos convidados a entrar em seu mundo por apenas um momento. Com uma bela iluminação, as cores vivas de seu cobertor artesanal e a pose pensativa, é uma imagem que celebra um estilo de vida que pode parecer tão distante do nosso.

Viajar para muitos é sinônimo de relaxamento e esta piscina azul oferece um refúgio convidativo, bem como uma tranquilidade entre o caos de blocos de apartamentos, guindastes, iates, linhas de energia e guarda-sóis.

Um cenário bem equilibrado que oferece uma perspectiva interessante sobre ideias modernas de lazer, turismo, riqueza e status – poucos lugares estão mais associados a essas palavras como Mônaco.

Esta imagem de uma surfista em Busua, Gana, aparece em um projeto em andamento intitulado “The Dreams We Had”, que o fotógrafo Carlos De La Reina está trabalhando em Gana e Serra Leoa.

“Estou tentando capturar a vida de crianças e adolescentes em diferentes vilas e cidades”, explicou ele. “O foco está em descobrir o quão diferente é crescer em diferentes partes do mundo e quão semelhantes são alguns dos sonhos e aspirações dessas crianças.”

A imagem é um retrato discreto e maravilhosamente evocativo dessa garota ganense, muito distante da imagem de um surfista que a maioria de nós terá em mente. Ao dar um passo para trás, De La Reina a enraíza nessa bela paisagem e nos lembra do mundo rico que existe além dos estereótipos e limites que às vezes temos.

Capturada ao anoitecer, quando a luz começa a diminuir e silencia as cores do dia, o fotógrafo cria uma cena atmosférica que parece uma pintura a óleo.

Os poderosos baobás se erguem sobre este único carro que percorre a paisagem, com suas formas distintas que alcançam um céu vasto e vazio. É um momento mágico repleto de aventura – um daqueles vislumbres privilegiados e inesperados de beleza que recebemos quando viajamos por um novo lugar.

Tirado com uma iluminação suave e desbotada e tendo como pano de fundo exuberantes colinas, o retrato de Kin Chan desses artesãos tibetanos é sonhador e evocativo. Há algo teatral no arranjo de pessoas e lanternas, e é uma imagem que perdura por causa disso.

Esta imagem vem da América Latina. Foi tirada no Salar de Uyuni, Bolívia, o maior deserto de sal do mundo, legado de um lago pré-histórico que secou e deixou para trás uma paisagem de quase 11.000 km² de sal branco brilhante, formações rochosas e ilhas repletas de cactos.

“Durante a estação chuvosa, todo o deserto é um espelho enorme e você não consegue diferenciar chão e o céu”, explica o fotógrafo.

Esta escada para lugar nenhum, uma escultura do artista Gastón Ugalde, feita puramente de sal, supostamente representa “a passagem para o céu”. Tirada por um drone, de um ponto de vista elevado contra um sol poente, a foto maximiza a sensação de escala e a textura marcada de pneus das salinas. Com as sombras desenhadas e a silhueta solitária, é verdadeiramente hipnótico, à primeira vista, como se a escada estivesse se projetando acima das nuvens baixas.

A anual Oktoberfest, evento com 16 a 18 dias que vai de meados de setembro até o primeiro domingo de outubro em Munique, na Alemanha, é o maior festival do mundo. Com um festival de cerveja e parque de diversões itinerante, ela atrai mais de seis milhões de visitantes internacionais e nacionais.

Localmente, é chamado de d’Wiesn e é uma parte importante da cultura bávara, realizada desde o ano de 1810. Outras cidades do mundo também realizam celebrações da Oktoberfest que seguem o modelo original de Munique.

Grandes quantidades de cerveja Oktoberfest são consumidas durante a celebração. O recorde foi estabelecido em 2014, quando foram servidos 7,7 milhões de litros.

Essa foto aérea movimentada em tons pastel em uma cervejaria lotada é um banquete visual, oferecendo uma visão das maneiras curiosas como celebramos a tradição e passamos nosso tempo de lazer. Com festividades acontecendo sob cenas idílicas de vilarejos pintados à mão e um céu perfeito, ele fornece um comentário interessante sobre o real e o artificial, a comunidade e o capitalismo, enquanto mostra a diversão do evento.

Essa imagem de meninos jogando futebol nas ruas molhadas da avenida Malecón de Havana parece quase atemporal – o tratamento em preto e branco e as silhuetas das figuras que a unem de um lugar no tempo.

Quando pensamos em Cuba, pensamos em céu azul, prédios coloridos e ruas movimentadas. Assim, é revigorante ver essa perspectiva, brilhantemente composta para permitir que o espectador absorva cada figura e detalhe. Dizem que o mau tempo contribui para uma boa fotografia, e certamente é verdade neste caso.

Apenas as declarações de imagem mais mínimas são fornecidas ao lado dessa fatia da vida à beira-mar. Então ficamos nos perguntando quem são esses jovens. Eles estão passeando a lazer? Ou tentando pegar turistas ao lado da barraca de comida para passeios a cavalo na praia? Independentemente disso, é uma composição excepcional, cada pixel do quadro cheio de interesse, e o ponto de vista agachado do fotógrafo encontrando uma sensação de ordem, cada elemento com seu próprio espaço.

Um migrante do Haiti fica ao lado do muro na fronteira em Tijuana, que é um símbolo de separação, supremacia e racismo.

Em um mundo onde criamos fronteiras artificiais, e as discussões sobre imigração muitas vezes podem reduzir as pessoas a números, essa imagem do muro de fronteira entre o México e os Estados Unidos torna real o conceito de movimento humano: o homem solitário olhando para o mar e o texto na parede atuando como um lembrete de que tudo é apenas impulsionado pelas circunstâncias e a esperança de encontrar algo melhor do outro lado da jornada.

A lua à frente é talvez um pequeno farol de esperança, sugerindo que compaixão e união podem ofuscar o medo e a alteridade.

A Rota 66, a rodovia que corta os Estados Unidos em dois de Los Angeles a Chicago, é um marco cultural, sinônimo da road trip americana.

Está tão incorporado em nossa consciência popular que sua linguagem visual – estradas retas sem fim, postos de gasolina remotos, motéis e letreiros de néon vintage – se tornou uma espécie de clichê, super fotografado e muitas vezes perversamente sem inspiração.

No entanto, essa imagem oferece algo diferente dessas perspectivas desgastadas. A sinalização pode ser imediatamente reconhecida, mas a árvore solitária brotando de uma habitação simples contra um céu espesso e enevoado cria uma cena com uma estranheza, um ‘nenhum lugar’ de estar livre de um lugar específico.

As viagens de carro são sobre aventura, de sair para o desconhecido em busca de novas experiências, e essa imagem canaliza esses sentimentos de maneira bastante eficaz.

Parcialmente ofuscando esta cena ao fotografar na neblina e na luz dourada da manhã, o fotógrafo cria uma cena que, ao capturar um aspecto turístico de Mianmar nesta barraca de marionetes, também parece autêntica e encantadora.

O espectador pode se imaginar em seu lugar, explorando as ruas e absorvendo a atmosfera enquanto o dia agitado desperta para a vida em uma linda foto, que faz grande uso de luz e sombra.

No Quirguistão, muitos ganham a vida como pastores. Eles raramente possuem suas próprias ovelhas, mas ganham uma pequena renda administrando-as para outros.

Os confortos são mínimos, mas ainda assim procurados – um cigarro quando possível, escalar uma montanha para obter a melhor recepção do celular, compartilhar um vídeo do YouTube com um amigo, para eventualmente voltar para casa e repetir o processo no dia seguinte.

Pode-se romantizar esse modo de vida como mais sintonizado à natureza, mas a realidade do dia-a-dia é muito mais complicada.

“Passei apenas 10 dias na serra At-Bashi com pastores quirguizes e suas famílias, em pequenas aldeias e uma escola local, seguindo e observando suas rotinas”, disse Michelia Kramer. “Eles passam o dia todo, todos os dias, nessa realidade. Sair intencionalmente de nossos confortos por causa da aventura é uma desilusão em si, mas o espetáculo e a verdadeira beleza da natureza fornecem conhecimento e admiração. Viver nele constantemente tem um custo.”

Sua imagem captura um pouco dessa dificuldade: o frio arrepiante que emana da cena de uma maneira lindamente estética; as ovelhas e o vale montanhoso cortando fortes linhas diagonais; e a luz nublada brilhante tornando a cena quase em preto e branco. É imersivo e tátil.

Com informações da Forbes.
Fotos: Reprodução

  • Compartilhe: