Desmatamento na Amazônia bate novo recorde; mais de 8 mil km de florestas derrubadas

O desmatamento na Amazônia segue sua rota em 2022. Entre agosto do ano passado e julho deste ano, 8.590 km² de devastação da floresta foram registrados pelo Deter, sistema do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) que mede o impacto em tempo real. Este é o terceiro índice mais alto da série histórica iniciada em 2015.

Para se ter uma ideia do que representa o novo dado para a região, considerando-se apenas julho, foram 1.487 km² de vegetação suprimida, área equivalente à da cidade de São Paulo. O índice é similar ao registrado no ano passado (1.498 km²).

Se o recorte for somente o primeiro semestre deste ano, o resultado não é mais animador. Foram 3.988 km² de floresta que tombaram, o maior já registrado para esse período na Amazônia.

Os dados deste ano (8.590 km²) ficam pouco atrás dos de 2021, quando foram registrados 8.780 km² de desmatamento. Ainda assim, uma queda pouco expressiva.

O sistema Deter foi criado em 2004 e seu objetivo é detectar o desmate enquanto ele acontece para orientar a fiscalização do Ibama. Os dados finais do desmatamento são observados por outro sistema do Inpe, o Prodes, mais acurado que o Deter, mas cujas estimativas só são divulgadas no fim do ano.

Com informações da Exame.
Foto: Reprodução

  • Compartilhe: